RELEVÂNCIA CLÍNICA DAS INTERAÇÕES CARDIOPULMONARES PARA O EMERGENCISTA PEDIÁTRICO